Passar a rebentação ou sair

Quando se faz surf, o pior lugar para se estar é na zona de rebentação.

Quer pela ambiguidade da situação, quer pela turbulência que cria.

Ficar nesta zona é chamada na gíria surfista de ficar a “apanhar porrada”.

As duas opções disponíveis são: passar a zona de rebentação em direção ao mar ou sair para a praia e procurar outra oportunidade.

Esta é talvez a mentalidade do outono, que pede clareza e simplificação nas decisões, quando lhe é pedido para separar aquilo que é essencial do que é desnecessário.

No caso da turbulência e ambiguidade que estas decisões podem criar as possibilidades são, segundo esta estação, claras:

Utrapassarr ou sair.

Ou, continuar a “apanhar porrada”.

Boas práticas.

Temos ainda 3 vagas para o segundo módulo do curso de Macrobiótica – Regenerar 1. Mais informações – próixma aula dia 17 de Novembro.

27 Partilhas


Subscreva

Ao subscrever o nosso blog, para além dos artigos e das nossas divulgações, oferecemos-lhe nos próximos 15 dias um programa de regeneração diário.

Comece hoje, um caminho dedicado a si.

Conheça os nossos cursos

Regenerar app

Chi Kung Fundamentos

Astrologia do Ki das 9 Estrelas

6 thoughts on “Passar a rebentação ou sair”

  1. Sara da Paixão Pacheco Ferreira

    Exatamente, é verdade, mas por outro lado é difícil sair da zona de rebentação. Obrigada pelos artigos, são ilucidativos e encorajadores.

    1. Lourenco Azevedo

      Olá Sara,
      É com o tempo e prática que nos tornamos surfistas cada vez com mais coragem e compaixão.
      Boas práticas.

  2. Ana Maria C. M. Oliveira

    Na maioria das vezes “apanho porrada”; ou então saio da praia à espera de uma melhor oportunidade… dá que pensar, não? ? (excelente texto, é um pequeno tiro de gatilho, certeiro…)?

    1. Lourenco Azevedo

      Ficar pode ser tão lesivo como sair, é aqui que contamos com a nossa inteligência emocional. Sair não é perder e desistir, nem ficar é ganhar e um ato de coragem, cada um deve encontrar o que considera ser naquele momento o melhor que sabe fazer e aquilo que resulta em nutrição a curto, médio e longo prazo. Boas práticas.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *