Paixão

Quando trabalhei como programador e analista de 1993 a 1996 e apesar de gostar do que fazia havia uma sensação que era recorrente e diária:

No local onde trabalhava era necessário subir até ao terceiro andar até chegar ao escritório e todos os dias perguntava-me se me conseguia imaginar a subir aquelas escadas durante os próximos cinco anos.

Nunca consegui produzir uma resposta positiva nesse exercício diário, nos quase três anos em que o pratiquei.

Existem atividades que gostamos de realizar que são úteis e que nos permitem pagar as nossas contas e atingirmos uma certa funcionalidade no mundo.

Mas gostar de uma atividade não garante que seja essa a nossa paixão, pode ser apenas um poto de passagem, um transporte entre duas margens.

Faço-lhe o convite para que realize o seguinte exercício:

  • No caminho para casa, imagina-se a viver nesse local para os próximos cinco anos?
  • No caminho para o trabalho, imagina-se a trabalhar nesse local nos próximos cinco anos?
  • No caminho para se encontrar com alguém que gosta, imagina-se a estar com essa pessoa para os próximos cinco anos?
  • No caminho para o curso que está a realizar imagina-se a viver de forma apaixonada sobre aquilo que está a estudar pelo menos cinco anos depois de acabar o curso?
  • Ao praticar alguma arte que seja inspiradora para si consegue imaginar-se a evoluir nessa arte durante pelo menos cinco anos?

A resposta só poderá ser Sim ou Não.

Os “mas” ou “não é bem assim” ou outras respostas que pressupõem adiamento ou indecisão equivalem a não.

Boas práticas.

47 Partilhas


Subscreva

Ao subscrever o nosso blog, para além dos artigos e das nossas divulgações, oferecemos-lhe nos próximos 15 dias um programa de regeneração diário.

Comece hoje, um caminho dedicado a si.

Conheça os nossos cursos

Regenerar app

Chi Kung Fundamentos

Astrologia do Ki das 9 Estrelas

2 thoughts on “Paixão”

  1. E o que fazer quando a resposta é não para a 2a pergunta e há contas a pagar e responsabilidades a que não se pode fugir??

    Fazer mais chi-kung? 🙂

  2. Lourenco de Azevedo

    Olá Cláudia,

    Se a resposta é “não” e se gostaria que fosse sim existe a necessidade de criar um terreno que seja propício para a mudança,

    Contas para pagar todos temos, a questão é mais: Quais são as que efetivamente são importantes e as que devem ser descartadas?

    Esta mudança nem sempre é rápida porque o desejo pode ser o de amanhã já não haver contas e estar-se noutro trabalho ou noutro contexto que consideramos mais agradável e alinhado com o nosso propósito de vida.

    Mas tal como as contas se foram instalando e acumulando gradualmente o caminho inverso é frequentemente gradual também.

    Sem dúvida que o Chi Kung ou Meditação auxiliam a criar um terreno de discernimento mais claro nas nossas vidas sobre o que é realmente essencial.

    Subscrevo a frase do John Kabbat “É quando percebemos que a meditação nos pode salvar a vida que começamos a meditar todos os dias”

    Boas práticas Cláudia.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *