Nutrir a sua humanidade

A revolução industrial veio aumentar a tendência de se observar o corpo como uma máquina.

Um conjunto de peças que funcionam como um mecanismo e que na sua maioria podem ser substituídas caso deixem de funcionar.

Esta visão do corpo poderá trazer consigo uma visão mecânica em relação à vida, em que o ser humano está incluído numa constelação com outras máquinas.

Um empresa, segundo esta visão, pode ser um conjunto de peças que funcionam articuladas.

Quando alguma destas peças deixa de estar funcional e começa a necessitar de muita manutenção é substituída.

Esta visão pode criar uma sensação de desconforto;

  • Quando se termina uma tarefa e se para e contempla e planeia o próximo passo, porque a máquina parou e aparentemente e não existe nada visível a acontecer,
  • Que uma pausa laboral para alongar e mobilizar as articulações pode ser vista como improdutividade, porque não existe razão aparente para máquina entrar em modo de manutenção,
  • Que seja feio um bom espreguiçar, porque uma máquina nunca se cansa e se isso acontece existe um processo defeituoso a acontecer.

Penso que à medida que se cultiva uma atitude de cuidar da nossa “máquina” como se fosse algo orgânico, sagrado, que necessita de ser nutrida com pausas e repouso frequente, poderá chegar à conclusão que não existe nenhuma avaria – que está apenas a reclamar a sua humanidade.

Mas até lá poderá ser necessário realizar pequenos passos que dão esta nutrição ao ser humano fantástico que é e ao mesmo tempo criam um território inicial de libertação.

No sentido de reclamar a sua humanidade.

  • Quando para, sinta os pés no chão, os dois com o mesmo peso distribuído entre eles.
  • Cada vez que está de pé relaxe os joelhos.
  • Realize pelo menos 3 respirações conscientes, pelo menos 3 vezes ao dia.
  • Mastigue bem.
  • Sorrir ou dar um gargalhada.
  • Parar o que está a fazer e olhar para as nuvens.
  • Brincar, de preferência no exterior, com uma criança ou um animal de estimação.
  • Andar sem sapatos, sempre que possa e a temperatura permita.
  • Caminhar, a pé, sempre que possa.

Boas práticas.

 

Em agenda já amanhã:

Dia 10 de Novembro de 2018 a Marta vai realizar um Workshop em Famalicão – Educar o Paladar | Alimentação Natural no 1º ano de vida – Mais informação aqui.

36 Partilhas


Subscreva

Ao subscrever o nosso blog, para além dos artigos e das nossas divulgações, oferecemos-lhe nos próximos 15 dias um programa de regeneração diário.

Comece hoje, um caminho dedicado a si.

Conheça os nossos cursos

Regenerar app

Chi Kung Fundamentos

Astrologia do Ki das 9 Estrelas

4 thoughts on “Nutrir a sua humanidade”

  1. Está partilha ajuda nos a refletir e a agirmos. Não nos deixa indiferentes. Por isso é de grande utilidade. Obrigada lourenco

  2. Devemos mesmo reclamar a nossa humanidade e não deixar que nos tratem como máquinas, que é o que está a acontecer. Se não se toma essa atitude é por causa do estigma e do medo de …
    Obrigada

    1. Lourenco Azevedo

      Reclamar a humanidade pode significar criar uma fronteira clara entre a utilização de tecnologia e a nossa vida humana.
      Da mesma forma a humanidade perde-se quando deixamos de a assumir e comportar-nos como máquinas.
      1. A tecnologia deve sempre ser utilizada para nos servir, não oposto.
      2. Quando a nossa vida está cercada de tecnologia, com o tempo é é fácil ver a vida como algo mecânico e como tal sermos confundidos também como máquinas – por colegas e encarregados – quando fazemos algo que não é mecânico pode assim ser assustador e até mesmo visto como uma potencial ameaça.
      Boas práticas.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *